O Espírito Das Borboletas : O Próximo Voo

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

O Próximo Voo




Faltam dez dias para o Natal ... como serão as ruas da minha cidade
neste tempo que é santuário de tantos meninos e meninas que pátria
não têm? Ou têm como pátria os restos que as tropas em prol duma
legalidade questionável , em defesa da soberba da soberania , legaram ...
Ó triste e doentia herança ! ...
Se as crianças falassem no meio da terra queimada ... alguém as escutaria ?
Que músicas lhes cantam aos ouvidos tão magoados pelo bombardear da
metralha que ergue a bandeira dos todo-poderosos?
Que pão as alimenta nesse meio de gritos e gemidos como se tantas
terras desertas de tudo que é felicidade sejam um imenso e surreal
hospital de campanha ... onde... tudo ... falta .
Que água lhes emudece os lábios , nesses campos  de pó , fumo
cinzas, onde , os rios e os  mares , se os há , são apenas líquidos secos
que lhes queimam a carne e lhes reduz a quase inexistente estrutura
óssea ?
Que há nos olhos desses seres que se agarram à mãe como quem
implora a Deus por um pedacinho, tão pequenino, de céu ?
Uma boa fatia  do nosso planeta vive nestes dias em clima de
autêntico paraíso ... há luz potente por todos os lados , salpicam-se
as vitrinas com arco-íris humanos .... inundam-se os espaços com cânticos
de seja a vida bendita ...
Quem leva o Pai Natal (Papai Noel , Papai Noel , olhai ao inverso !)
ao terreno dos que nunca viram a glória do mais pequenino pinheiro
natalício ?...
São crianças que não têm calendário ... crianças que não sabem quantos
anos possuem de idade ... crianças das quais ninguém registou, nem mesmo os
seus pais ,  a data do seu nascimento ...
E o velhinho simpático , de longa e enternecedora barba branquinha , continua
a conduzir o seu trenó a caminho das casas que sempre viveram em festa ...
Quem lembra de pegar num jovem , o munir dum avião e colocá-lo na rota
duma nova Belém ? Um Filho Natal munido do bem mais precioso que há na
vida - o amor ? Um nascimento de verdade pela verdade duma realidade ...
em humana ... tranformação ...
É necessário inventar o que há-de , mais tarde ou mais cedo , nascer ...
Tenho a sensação , num arrepio de toda a minha derme , que Aquele que veio
para nos redimir é a toda a hora crucificado e que a sua ressurreição ,
o seu terceiro dia , ainda não se cumpriu ...
Entretanto ...
... os anjos gritam e choram ... num hino que jorra cachoeiras de sangue ...
Na música duma só cor - vermelha !
Para quando o céu azul ? ...



JouElam , 141220111450 , O Espírito Das Borboletas


1 comentário:

  1. Um texto muito forte, um tapa na cara desta sociedade... Meu amor, teu texto emociona demais "Um nascimento de verdade pela verdade duma realidade...em humana...transformação" Uau! Sabe querido, me impressiona essa tua sensibilidade ao que acontece a estas crianças sem direito a esperança, a um natal, a uma chance de conhecer o lado bom da vida, ou ao menos, ter um pouco de dignidade no seu existir. Parabéns, meu poeta, meu mestre mais que perfeito.

    beijo,

    Te amo muito!

    ResponderEliminar